Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Uma boa defesa começa pelas jogadoras de ataque, seguindo essa filosofia, a técnica Pia Sundhage tem construído um novo sistema defensivo da Seleção Feminina. Com uma média de 0,23 de gols sofridos, em 13 jogos, a equipe brasileira tem se mostrado efetiva no fundamento. Para construir um grupo ainda mais forte quando de se trata de ataque, defesa e bolas paradas, a sueca conta com três auxiliares que são os responsáveis por esmiuçar cada detalhe do Brasil.

Além de Lilie Persson e Beatriz Vaz, Anders Johansson é o mais novo integrante. O sueco de 53 anos faz parte da comissão técnica da Seleção Feminina desde novembro de 2020. Antes, era o responsável por treinar a Seleção Sueca Feminina Sub-19. Segundo Pia, o auxiliar é o especialista quando se fala de defesa. Ao longo da carreira foi técnico de equipes femininas e masculinas do Campeonato Sueco de Futebol e, entre 2004 e 2005, treinou a meia Formiga, quando atuou pelo Malmö, da Suécia. 

As jogadoras brasileiras são muito legais e é muito bom trabalhar com elas. A comissão também é fantástica! Aqui o meu trabalho é mais focado na defesa e a Lilie fica com o setor ofensivo. Também sou o responsável pelas jogadas de bola parada junto com a Bia. Além disso, eu e Lilie também fazemos a análise dos adversários que vamos enfrentar, por exemplo, Estados Unidos e Canadá“, destaca.

Treino da Seleção Feminina em Viamão. Anders Johansson Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Famosos pela organização tática, a comissão técnica composta por três suecos não esconde como pretende trabalhar com a equipe brasileira. Para Anders, a Seleção Feminina precisa mesclar a obediência sueca com a habilidade brasileira, uma combinação que pode ser poderosa diante dos próximos desafios. 

As jogadoras estão indo muito bem! Temos muitas jogadoras físicas e também, eu diria, bem agressivas com a bola. Aqui focamos em como podemos trabalhar juntos, como podemos estar juntos defendendo, desde a goleira até as atacantes. Somos muito bons nisso na Suécia, temos uma boa organização tática, já as brasileiras têm uma boa técnica e um bom físico. Eu acho que essa combinação pode ser muito boa!“, analisa. 

Em quase dois meses de trabalho, Anders observou a exigência das jogadoras brasileiras. Segundo ele, as atletas estão sempre em contato em busca de orientações de como podem melhorar o desempenho dentro de campo. 

Eu acho que elas pensam sempre em futebol e falam muito entre elas, estão sempre interessadas em como podem ser melhores. Após cada treino elas conversam entre si e nós também passamos alguns feedbacks. Vejo que gostam muito quando a gente faz isso, elas querem aprender a cada treino“, analisa. 

Treino da Seleção Brasileira Feminina Principal em Viamão 11/01/21. Anders Johansson e Pia Sundhage Créditos: Laura Zago/CBF

Desde 5 de janeiro, a Seleção Brasileira está concentrada em Viamão (RS), para um período de preparação. As atividades que iniciam o ano de 2021, e vão até o dia 20 deste mês, fazem parte do ciclo de observações da comissão técnica de olho nos Jogos Olímpicos de Tóquio. 

Por conta do protocolo estabelecido pela Comissão Médica Especial da CBF, não haverá cobertura presencial da imprensa nos treinamentos da Seleção Feminina. A CBF TV disponibilizará diariamente imagens das atividades da equipe e entrevistas com as jogadoras. 

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook