Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, nesta quarta-feira (13), através de suas redes sociais, utilizou as mesmas para questionar se contrapondo a divulgação do vídeo da reunião dos ministros com o presidente Bolsonaro, esse vídeo se tornou alvo da defesa do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, que vem pedindo para que a gravação da reunião que ocorreu no dia 22 de abril tenha seu sigilo quebrado para ser divulgado ao público.

Moro que pediu demissão da equipe ministerial do governo, após acusar o presidente Bolsonaro de interferência na cúpula da PF, vem se mostrando bem diferente daquele que em tempos que comandava a Lava-Jato dizia não querer envolvimento político, diferente da sua fala atualmente, o mesmo vem se aproximando de grupos políticos que cogitam seu nome em um suposto pleito eleitoral em 2022.

Um inquérito para que se apurasse a denúncia feita por Moro foi aberto, onde a defesa do ex-ministro tem exigido que seja divulgado em público o conteúdo do vídeo da reunião ministerial, no mínimo essa atitude é intransigente do ponto de vista constitucional,

Em sua conta do Twitter, Heleno chamou o pedido de divulgação da gravação como um “ato impatriótico”.

Pleitear que seja divulgado, inteiramente, o vídeo de uma Reunião Ministerial, com assuntos confidenciais e até secretos, para atender a interesses políticos, é um ato impatriótico, quase um atentado à segurança nacional“, escreveu.

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook