Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

De acordo com a Polícia Civil, a região do Jacarezinho na Zona Norte do município do rio de Janeiro é um dos quartéis-generais da facção Comando Vermelho na zona norte e abriga “uma quantidade relevante de armamentos” protegidos por barricadas e táticas de guerrilha adotadas pelo grupo criminoso. Ação da DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e Adolescente) contra traficantes assustou moradores logo pela manhã.

A operação na comunidade do Jacarezinho contou com veículos blindados e helicópteros, deixando  25 mortos e feridos, segundo informação da Polícia Civil, foram 24 mortos que tinham envolvimento com crime organizado  na comunidade que entraram em confronto com os policiais. A ação foi contra traficantes responsáveis por aliciamento de menores e outros crimes.

Durante o tiroteio pela manhã,  um policial veio a óbito, enquanto outros dois agentes ficaram feridos, além de  dois passageiros do metrô que foram feridos dentro de um trem da Linha 2, na altura da estação Triagem, na zona norte. Segundo o MetrôRio, o acidente ocorreu “após o vidro de uma das composições aparentemente ser atingido por projétil vindo da área externa”. Um passageiro foi atingido de raspão no braço e o outro por estilhaços de vidro. Ambos foram socorridos para hospitais municipais.

Defensoria Pública questiona operação no Jacarezinho e vai ao STF

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro se manifestou nesta quinta (6) sobre a operação Exceptis, realizada pela Polícia Civil do estado do Rio na Zona Norte da capital Fluminense. Os delegados condutores da operação apresentaram posteriormente um balanço, no qual afirmam que houve planejamento rigoroso e que criminosos que não reagiram foram presos.

Como a polícia considera exitosa uma operação que deixa um saldo de 25 mortos? Isso contradiz tudo que já estudamos sobre segurança pública. Não podemos continuar com um estado em que cerca de 30% das mortes violentas decorrem de intervenção policial”, pontuou a defensora pública Maria Júlia Miranda. Ela afirma que a Polícia Civil não informa quais são seus indicadores de êxito de uma operação.

José Lucena/Thenews2/Folhapress 

Segundo o anuário divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a polícia do Rio de Janeiro desponta nos indicadores de letalidade. O último balanço divulgado, com dados de 2019, registra 1.810 óbitos decorrentes de intervenções policiais. 

José Lucena/Thenews2/Folhapress 

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook