Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

A China foi uma das primeiras civilizações que surgiu no mundo, e foi considerada durante milênios como uma das maiores potências mundiais, assim como outros países como Inglaterra e Alemanha. Atualmente ela é considerada a segunda maior economia do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

Entretanto, com a descoberta do coronavírus no final de 2019 e a declaração da OMS de situação de pandemia em 2020, a economia mundial foi muito abalada diante da crise sanitária, principalmente da China.

Com o desenvolvimento e aplicação das vacinas e a tentativa de restabelecer o crescimento econômico pós-pandemia, a China passa por um período de recuperação. Entretanto, os resultados de julho de 2021 não atenderam as expectativas.

Quer saber mais sobre esse assunto? Continue a leitura, pois iremos conversar a partir dos seguintes tópicos:

  • Quais são os impactos da desaceleração da indústria e do varejo na China? 
  • Quais as projeções para o futuro da economia chinesa? 

Vamos lá!

Quais são os impactos da desaceleração da indústria e do varejo na China? 

A produção industrial no mês de julho na China, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (16) pela Agência Nacional de Estatísticas, apresentou o crescimento de 6,4%, em relação ao mesmo mês de 2020.

A expectativa para a retomada do crescimento chinês após os impactos da pandemia era de que em julho, a indústria  atingisse um crescimento de 7,8% em relação ao ano passado.

Além disso, essa quebra de expectativa foi ainda mais decepcionante devido ao crescimento registrado em junho de 2021, que aumentou 8,3% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Já no setor varejista, a expectativa de crescimento era de otimistas 11,5% , quando na realidade o setor apresentou o resultado de 8,5% de crescimento em julho, comparando-se ao ano anterior nesse período.

Assim como a indústria, as vendas no varejo apresentaram um crescimento significativo de 12,1% no mês anterior à quebra de expectativa, julho de 2021.

Entre os motivos que levaram a esse cenário, estudiosos apontam para os novos casos de coronavírus que surgiram em julho que refletiram em medidas que influenciaram na produção da indústria e do varejo.

É válido destacar também que os altos custos da matéria prima, a diminuição das exportações e os gargalos na oferta são fatores responsáveis por grande parte dos resultados negativos na economia da China.

Diante disso, continue a leitura e descubra quais são as projeções dos analistas diante desses acontecimentos.

Quais as projeções para o futuro da economia chinesa? 

Para este mês, os analistas do Nomura, grupo de serviços financeiros globais, indicaram que a tendência é que a desaceleração do crescimento continue e que os resultados sejam ainda menores que julho.

Além disso, a ANZ diminuiu a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) chinês de 8,8% para 8,3% diante dos resultados apresentados no final do segundo semestre de 2021.

As novidades e reviravoltas na economia não param de surgir, certo?

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook